Últimas Notícias

VEREADOR SÉRGIO BARBOSA DEFENDE LEI QUE PROÍBE USO DE AGROTÓXICO EM CANINDÉ.


PARA ESPECIALISTAS, USO DEVE SER PROIBIDO E CITAM EXAGERO NA QUANTIDADE, ALÉM DO USO DE PRODUTOS PROIBIDOS EM OUTROS PAÍSES

O vereador Sérgio Barbosa dos Democratas, enviou ao Plenário da Câmara uma emenda que dispõe sobre a racionalização do uso de produtos agrotóxicos, seus componentes e afins, e proibição nas áreas de preservação ambiental permanente, no Município de Canindé. A alteração da Lei Nº 1.765/02 de 14 de outubro de 2002

O vereador expôs seu projeto de lei e compartilhou a experiência e dificuldades enfrentadas em nossa região. “Estamos somando forças em torno do nosso projeto no município, que tem um só objetivo: evitar que agricultores percam suas vidas contaminados com veneno”, afirmou.

Na redação da emenda, o vereador cita que os agrotóxicos, seus componentes e afins, só poderão ser comercializados diretamente aos usuários, mediante apresentação de receituário próprio emitido por profissionais legalmente habilitados, conforme prescreve o artigo 13 da Lei Nº 7.802/89 de 11 de julho de 1989 da Presidência da República.

‘’A Secretaria da Agricultura e Recursos Hídricos de Canindé, será responsável por desenvolver ações de instrução, divulgação e esclarecimento, que estimulem o uso seguro e eficaz dos agrotóxicos, seus componentes, com objetivo de reduzir seus efeitos prejudiciais para o ser humano e meio ambiente, além de prevenir acidentes decorrentes da utilização imprópria dos produtos’’, ressalta Sérgio Barbosa.

No artigo 4 da Lei, fica proibido o uso de agrotóxicos na região conforme definido no artigo 221, da Lei Orgânica do Município. O vereador defende uma campanha ampla que advertir, multar que desrespeitar a lei e interdição temporária ou definitiva do estabelecimento em casos de infrações reincidentes.


‘’Precisamos criar mecanismos capazes de mudarmos essa realidade que tanto tem causado problemas de saúde ao homem do campo. A substituição gradativa dos agrotóxicos por inseticidas naturais, manejo racional dos solos, intensivo uso da adubação orgânica e capacitação para qualificação técnica dos produtores. Seriam estas as medidas necessárias para mudarmos esse quadro’’, sugere o vereador.

Para o especialista no assunto Camargo Diniz da EMBRAPA de Sobral, os prejuízos dos agrotóxicos, aumentados pela forma de aplicação aérea, precisam ser barrados. “Não é possível que o poder econômico se sobreponha aos interesses da sociedade”, afirmou.

Os dados apresentados pelo especialista da EMBRAPA foram alarmantes: amostras demonstram que há mais de 100 vezes a concentração de um tipo de agrotóxico utilizado no Brasil, o glifosato, do que é permitido pelas agências internacionais.

“Essa é uma mentira repetida um bilhão de vezes para se fazer de verdade. A FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – já concluiu que o modelo de agricultura da revolução verde está falido. Os sistemas orgânicos apresentam grande capacidade de produção e quem tem que mudar é quem está causando impacto e ainda recebe subsídios”, asseverou.

Para o vereador Sérgio Barbosa, o objetivo deve ser de proteger o planeta e a humanidade. “Vocês acham que eles vão querer que isso mude? Quem tem que se mobilizar somos nós! A mudança incomoda, mas temos que pensar o que queremos para o futuro da humanidade. Nossa geração já está toda contaminada”, finalizou.

‘’A prática altamente nociva de pulverização de agrotóxicos em áreas produtivas, precisam ser combatidas com urgência’’, defende edil Municipal.

Ele afirma que esta prática pode causar graves danos para a saúde, para o meio ambiente e para a economia local e estadual. 


A pulverização pode atingir residências, escolas, creches, hospitais, comércios de rua, meios aquáticos como rios e lagos, além de redes de distribuição de água para a população do município.

Segundo o Secretário da Agricultura e Recursos Hídricos de Canindé, Roberto Lopes, a pulverização de agrotóxicos, ao invés de preservar a saúde coletiva, é na verdade prejudicial ao ser humano, já que os produtos tóxicos pulverizados podem contaminar um raio de até 32km da área alvo, o que demonstra o alto potencial tóxico e nocivo desta prática.

Fotos e texto de Antônio Carlos Alves

Nenhum comentário

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias