Últimas Notícias

PREÇO DO GÁS DE COZINHA FORÇA FAMILIAS POBRES A UTILIZAR LENHA E CARVÃO.


NO CEARÁ 1 MILHÃO E 200 MIL CASAS JÁ ADERIRAM A VOLTA DO MATERIAL.

O VALOR DO BOTIJÃO DE 13 QUILOS VARIA DE R$ 65,00 A 75,00

No ano em que o preço do gás de cozinha teve alta histórica, 1,2 milhão de domicílios brasileiros passaram a usar, também, lenha e carvão como alternativa para cocção de alimentos, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2017, 12,3 milhões de domicílios usaram lenha ou carvão como combustível para cozinhar os alimentos. O número representa um crescimento de 11% com relação aos 11,1 milhões verificados no ano anterior, segundo pesquisa divulgada, ontem, pelo instituto.

Em junho de 2017, a Petrobras alterou sua política de preços do gás de cozinha, com o objetivo de pôr fim há anos de subsídio e passou a acompanhar mais de perto as cotações internacionais do produto. Entre a mudança e o fim do ano, a elevação do preço nas refinarias foi de 67,8%. Para o consumidor, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), o botijão de gás teve aumento de 16,4% no ano, já descontando a inflação. Foi o maior percentual desde 2002, quando a Petrobras também implementou política de preços mais próxima das cotações internacionais.

Feita com base em dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C), a pesquisa do IBGE detectou que 98,4% dos 68,6 milhões de domicílios no País usaram gás de botijão ou canalizado para cocção de alimentos em 2017.


Regiões

Houve maior disseminação do uso de lenha ou carvão em todas as regiões, com destaque para o Norte (alta de 16% ou 239 mil domicílios) e sudeste (alta de 13% ou 244 mil domicílios). Em números absolutos, o maior aumento foi no Nordeste, onde 411 mil domicílios passaram a usar os dois combustíveis, aumento de 10% com relação ao ano anterior.

A coordenadora da Pnad-C, Maria Lúcia Vieira, disse que é possível que muitos dos domicílios tenham usado gás e lenha. “No Nordeste, por exemplo, é comum que as casas tenham fogão a gás e fogão a lenha”, disse ela. O crescimento do número de usuários de lenha ou carvão, porém, indica que houve troca pelo combustível mais barato, ressaltou.

Entre as capitais, a maior alta se deu em Curitiba, onde o número de domicílios onde lenha ou carvão foram usadas para cocção quase triplicou, saltando de 18 mil para 51 mil. Belém, porém, é a capital com a maior proporção de domicílios que usam os dois combustíveis: 42,7% do total.

Eletricidade

Houve grande crescimento, também, no uso de energia elétrica como combustível para o preparo de alimentos. Neste caso, porém, Vieira acredita em mudança de hábitos da população, com a opção por equipamentos elétricos como panelas de arroz e fritadeiras. De acordo com a pesquisa, 27,3 milhões de domicílios usaram eletricidade para preparar alimentos em 2017, 23% a mais do que no ano anterior. A conta inclui todos os equipamentos usados para preparo, e não só cocção, como liquidificadores e batedeiras, por exemplo.

Fonte: Estado Verde


Fotos de Antônio Carlos Alves


Nenhum comentário

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias