Últimas Notícias

CEARÁ TEM MAIS DE UM MILHÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE POBREZA.



Pesquisa foi divulgada por fundação nesta terça-feira, com base em dados de 2015.

No Nordeste, 60% das criança e adolescente não têm condições suficientes para se manterem de forma adequada

De acordo com a Associação Brasileira dos fabricantes de brinquedos, o Ceará possui 1.198.254 crianças e adolescentes vivendo em situação de pobreza, ou seja, com menos da metade de um salário mínimo. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (24), pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Fundação Abrinq), com indicadores sociais relacionados à infância e adolescência no Brasil.

Os índices relacionados ao Ceará mostram que 61% das pessoas com faixa etária entre 0 e 14 anos vivem em situação domiciliar de pobreza, o que significa que, de cada cinco crianças, três vivem nessas condições. Daquele total, há ainda aquelas crianças e adolescentes que se encontram na faixa da pobreza extrema. São 561.276 meninas e meninos com menos de 1/4 de um salário mínimo para sobreviver.

Os números referem-se ao ano de 2015, quando o salário mínimo federal correspondia a R$ 788,00. O Norte e o Nordeste são as regiões com piores índices, onde, 54% das crianças e 60%, respectivamente, não têm condições suficientes para se manterem de forma adequada.

População entre 0 e 14 anos em situação de pobreza ou extrema pobreza

Ceará - População entre 0 e 14 anos em situação domiciliar de pobreza (renda de até meio salário mínimo) Ceará - População entre 0 e 14 anos em situação domiciliar de pobreza extrema (renda de até um quarto de salário mínimo) Fonte: IBGE - Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios)

Brasil

De acordo com o documento lançado pela Abrinq, a população entre 0 e 19 anos já representa 33% do total de brasileiros. Quando se fala do grupo que inclui desde os recém-nascidos aos adolescentes de 14 anos de idade, o estudo aponta que 17,3 milhões desses brasileiros vivem em situação de pobreza. Isso corresponde a 40,2% das meninas e meninos desse universo.

Ainda quanto a esta faixa etária, as condições de extrema pobreza atingem 5,8 milhões de crianças e adolescentes, ou seja, 13,5% do total. Um olhar sobre a as condições de vida das famílias brasileiras reitera os números apresentados: 55 milhões de brasileiros, ou seja, 30% da população, vive em situação de pobreza, com quase 18 milhões deste total estando em pobreza extrema.

"As precárias condições de vida dessa parcela da população geram um círculo vicioso do qual dificilmente a criança ou o adolescente pobre conseguem escapar, vendo suas vidas condenadas ao mesmo padrão econômico do que o de seus pais", aponta a Fundação Abrinq.


Gravidez precoce

A questão da gravidez precoce é outro problema ainda presente na realidade brasileira. Do total de bebês nascidos em 2016 no Brasil, 17,5% foram de mães adolescentes. As regiões que mais registraram casos de mães antes dos 19 anos foram o Nordeste e o Sudeste, 167.573 e 161.156 partos, respectivamente.

Em continuidade às condições enfrentadas por essas gestantes, o Ministério da Saúde indica que quase um terço das mães (32,2%) não fazem o pré-natal adequado, indo menos de sete vezes ao médico durante a gravidez. No Nordeste, esse número chega a 40% de gestantes com acompanhamento inadequado.

As crianças recém-nascidas seguem com baixo acesso ao aleitamento materno e a alimentação de qualidade. Em 2017, 18% das crianças encontravam-se em situação de desnutrição, enquanto 12,5% da população de 0 a 5 anos tinha a altura baixa ou muito baixa para a sua idade.

Com Informações da Agência Brasil
Fotos de Antônio Carlos Alves


Nenhum comentário

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias