Canindé

[Canindé][bleft]

Regional

[Regional][twocolumns]

ANIMAIS CEARENSES PROJETAM ANALGÉSICO MAIS FORTE QUE MORFINA.


Uma descoberta que sem dúvidas pode trazer grandes benefícios à medicina e à sociedade, algo grandioso e que nos orgulha mais ainda por ter sido evidenciada aqui mesmo, no Ceará. Podemos tratar, inclusive, como revolucionária. E tudo surgiu a partir de um estudo envolvendo bichos que fazem parte exclusivamente na nossa biodiversidade. O sapo-cururu e a cobra cascavel, animais que circulam livremente por nosso território, foram importantíssimos na pesquisa.

Para quem não sabe, o Ceará vem ganhando notoriedade e despontando no que diz respeito a inovações na área de biotecnologia, e um desses exemplos mais recentes (e relevantes, diga-se de passagem) é a pesquisa que conseguiu desenvolver novos analgésicos para o tratamento de dores neuropáticas a partir de substâncias dos dois animais já citados anteriormente, comuns na fauna nordestina.

Vale ressaltar e destacar que o projeto em questão é executado pela empresa Genpharma, beneficiada com recursos do Programa de Apoio à Inovação Tecnológica nas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado do Ceará (TECNOVA-CE).

Descoberta

A empresa realizou a coleta de substâncias naturais dos venenos de animais típicos da nossa região e um desses compostos obtido por síntese foi prospectado a partir da telocinobufagina, uma substância do veneno do anfíbio Rinhella Jimi, popularmente conhecido como sapo-cururu. O outro composto foi prospectado a partir do veneno da serpente Crotalus durissus cascavella: a tão temida cobra cascavel.

“Nós conseguimos isolar venenos oriundos desses animais e percebemos que havia ali uma grande quantidade de atividade analgésica. Não foi nada por acaso ou coisa assim, foi tudo devidamente pensado e estudado. Lógico que pegamos como base estudos passados com esses fins. Então, em 2009, passamos a estudar mais a fundo essas substâncias, estudo que evoluiu para o projeto que nós temos hoje”.

A citação acima é de um dos responsáveis pelo desenvolvimento e, conseqüentemente, pelos resultados alcançados, Dr. Krishnamurti Carvalho, doutor em Farmacologia pela Universidade de São Paulo (USP), pós-doutor em Farmacologia Clínica pela Université Pierre ET Marie Curie, Paris VI, na França, que será o nosso fio condutor em toda essa história.

“Quando nós retornamos de um período de pós-doutorado na França, resolvemos estudar a nossa biodiversidade e vimos que nós valorizamos muito pouco esse terreno. Em 1993, quando retornei da Europa, decidi que ia pesquisar mais a fundo os venenos dos animais presentes no nosso bioma, e foi a partir daí que tudo começou de fato”, relata Krishnamurti.

Segundo o doutor, a Genpharma, que conta com aproximadamente 15 profissionais trabalhando nas pesquisas, a confiou no projeto e deu total apoio e condições para que o mesmo saísse do papel e fosse aprofundado. A partir daí, quatro teses de doutorado foram desenvolvidas dentro do estudo geral, fazendo enorme sucesso, inclusive com várias patentes sendo requisitadas. Com a importante contribuição da universidade, as teorias que embasaram tais teses puderam ter seus resultados aplicados na prática.

Superior à morfina

Todos conhecem o efeito que a morfina traz ao corpo e é o fármaco mais comum (por vezes substituído pelo fentanil) para aliviar dores severas. Pois bem, ambos os anestésicos testados na pesquisa apresentaram potência analgésica sobre a dor de cerca de 100 a 200% superior à da morfina, além de boa absorção por via oral. Uma outra vantagem dos compostos produzidos no Ceará é que por não serem substâncias opioides (derivadas do ópio) estão isentos dos graves efeitos da morfina, tais como: dependência, depressão respiratória e euforia.

Os analgésicos estão em processo de patente. “Eles apresentaram propriedades que permitem o desenvolvimento de novos fármacos a partir de pequenas moléculas obtidas através de uma síntese fácil, rápida e mais barata”, explica o responsável pela empresa Genpharma, Krishnamurti Carvalho.
Outra boa notícia é que justamente por não dispor dos efeitos colaterais da morfina, o medicamento desenvolvido pela Genpharma tem grandes possibilidades de poder ser comercializado normalmente nas farmácias, como um fármaco comum e muito provavelmente por um custo bem acessível à população em geral.

Uso de animais

Dr. Krishnamurti explica que a partir da evolução do estudo, os profissionais conseguiram produzir substâncias sintéticas a partir das naturais, extraídas do cururu e da cascavel. O composto encontrado nos bichos tem forte ação analgésica, porém, sozinho, não é suficiente para ser transformado em um medicamento. Para que isso fosse possível, a substância natural precisaria ter uma molécula que concentrasse uma série de características específicas.

“Com base na constituição extraída dos bichos, fomos além e elaboramos substâncias sintéticas que conseguem ser ainda mais potentes que as naturais, o que resulta em um grande trabalho tecnológico de desenvolvimento desses analgésicos. Agora, dependendo da permissão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), iniciaremos em breve os estudos clínicos no homem, coisa que obviamente ainda não podemos fazer”, detalha.

Com o avanço no estudo da forma sintética do analgésico, o sapo-cururu e a cobra cascavel não devem mais ser utilizados na produção do mesmo. “Os bichos foram importantíssimos no início, quando extraímos pequenas amostras dos venenos para chegarmos até aqui, agora a intenção é pouparmos as espécies em questão porque poderíamos pô-los em risco caso dependêssemos exclusivamente dessa matéria natural. Mesmo assim, eles têm um mérito gigantesco nessa descoberta”, diz Krishnamurti.

Ainda sobre os animais, o responsável pela Genpharma alerta que não há nenhum estudo como esse no mundo. “É algo muito específico e a explicação é simples, como são espécies da nossa Caatinga, ambos só são encontrados nessa região, no Nordeste, portanto em nenhum lugar do mundo tais há estudos com os mesmos, é algo nosso, não há nada similar em curso. Por isso mesmo que já estamos providenciando as patentes para proteger a integridade intelectual e tecnológica dessa descoberta”.

Importância

O Tecnova-CE teve fundamental importância para o sucesso da pesquisa e para o incremento no número de projetos ligados à Biotecnologia no Estado. O programa foi concluído em dezembro de 2016, e financiou empresas de base tecnológica em setores estratégicos.

Ao todo, foram aportados para os projetos beneficiados recursos da ordem de R$ 20 milhões, oriundos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Governo do Ceará. O programa foi coordenado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), com execução da Fundação Astef, Rede de Incubadoras de Empresas do Ceará (RIC) e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).


Sapo-cururu e cobra cascavel

Rinhella Jimi: conhecido como sapo-cururu, sapo-boi ou cururu, é um sapo nativo das Américas Central e do Sul. Pertence ao gênero Rhinella, distribuído principalmente pelo Nordeste do Brasil. O sapo-cururu possui grandes glândulas de veneno. Tanto os adultos como os girinos são altamente tóxicos quando ingeridos.

Crotalus durissus cascavella: Cascavel ou cobra cascavel é o nome genérico dado às cobras peçonhentas dos gêneros Crotalus e Sistrurus. As cascavéis possuem um chocalho característico na cauda, e estão presentes em todo o continente americano. Possui um veneno poderoso, que destrói as células do sangue das vítimas, causa lesões musculares, afeta os sistemas nervoso e renal. Na peçonha dessa serpente, há uma proteína que causa rápida coagulação, fazendo o sangue de a vítima endurecer.

Informações da Tecnova do Ceará

Fotos de Antônio Carlos Alves
Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias


Prefeitura

[Prefeitura][grids]

Ceará

[Ceará][list]

Nacional

[Nacional][bsummary]

Plantão Policial

[plantão policial][threecolumns]