Últimas Notícias

O Rei, o Vendedor e o Burro em Canindé


Procurando algo que possa Ilustrar melhor a situação de indefinição de quem é o Prefeito de fato e de direito do Município de Canindé encontrei uma comparação na história dos tempos imperiais onde os conselheiros de um Rei começaram a estranhar o crescimento do patrimônio de um vendedor de temperos e pimenta que eram transportadas de porta em porta no lombo de um burro puxado por seu ajudante.

O que mais impressionava e chamava a atenção era o fato do vendedor possuir uma carruagem mais bonita e exuberante que a do Rei, além de estar construindo uma casa quase da altura do Palácio Real. Preocupados, os conselheiros do Rei procuraram sua Majestade e, após participar os fatos, receberam autorização para investigar o vendedor para esclarecer qual a procedência do dinheiro do vendedor para ostentar tão rico patrimônio.

Terminada a investigação os conselheiros do Rei não encontraram nada que desabonasse a conduta do vendedor. Ao saber do resultado o Rei disse para deixar o vendedor em paz uma vez que ficara provado que o vendedor se tratava de um cidadão trabalhador que ganhava a vida trabalhando honestamente junto com seu ajudante e o Burro de carga. Inconformados, os conselheiros foram mais fundo nas investigações ficou esclarecido que o vendedor realmente trabalhava honestamente, mas não estava recolhendo o Imposto Real. 


Ora, o resultado para quem não recolhia o Imposto era a Pena Capital imposta em praça pública para servir de exemplo. Sua Majestade o Rei, sentenciou o condenado à forca. Na oportunidade concedeu ao vendedor o direito de realizar o seu “ultimo pedido”. Em seguida, o Vendedor, se dizendo-se triste e envergonhado por haver contrariado o Rei, disse que não faria o "último pedido". O vendedor declinou pois sabia que enquanto não fizesse o último pedido, nada poderia ser feito contra ele. Ainda assim, o Rei insistiu, pois somente se daria cumprimento à sentença quando satisfeita a última vontade do condenado.

Neste momento, o vendedor recorre mais uma vez a sua própria astúcia afirmando que antes de morrer gostaria de se redimir de sua culpa perante sua Majestade o Rei realizando uma “proeza” jamais vista por outro Rei em toda a face da Terra. Admirado da inteligência do vendedor o Rei, tocado por sua vaidade e orgulho, disse que adorava novidades foi logo perguntando qual seria a surpresa que o Vendedor tinha "guardada na manga"?

E o vendedor foi logo respondendo. Prometeu a sua Majestade o Rei que faria o Burro "Cantar o Hino Nacional" para sua Majestade em plena Praça Pública para todo mundo ver a homenagem nunca dedicada a outro Rei! Emendando que precisaria apenas de mais um ano de vida pois era preciso ensinar ao burro a ler a partitura musical e fazer uns exercícios de técnica vocal para cantar e entoar o Hino Nacional. Buum! Foi um estrondo entre os cidadãos que estavam na praça. O Rei ficou perplexo e bastante admirado com a façanha e como gostava de novidades concordou e concedeu de imediato o prazo de um ano para o vendedor retornar com o burro para este cantar em o Hino Nacional em praça pública. Palavra de Rei! 

Prosseguindo, o Rei advertiu: Se o Burro desafinar ou não catar o Hino Nacional daqui um ano naquela Praça, a sentença seria cumprida e o vendedor seria enforcado. Em seguida, o Rei ordenou ao carrasco que tirasse a corda do pescoço do Vendedor, e este saiu correndo e pulando de alegria pelas estradas à fora. Mais atrás, o seu ajudante o acompanhava puxando o burro por uma corda. Mais a frente, ao encontrar o vendedor deitado na sombra de uma árvore e feliz da vida o ajudante perguntou indagou: como iria fazer o burro cantar o Hino Nacional para o Rei em um ano? A resposta do vendedor, veio ligeira! :

“em um ano ou morre o Rei, ou morre o burro, ou morro eu...” (Lá ele o vendedor!)

Moral da História: A fábula retrata mais ou menos a situação de indefinição político administrativa em que o prefeito de Canindé consegue se manter na direção do Município mediante o emprego de recursos protelatórios e decisões liminares sem que a população saiba ao certo qual será o desfecho final do que é fato e do que é direito...

André Noronha Brasil
Acadêmico de Administração Pública
Universidade Federal do Estado do Ceará UFC

Nenhum comentário

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias