Últimas Notícias

Canindeense é destaque em matéria do jornal o Folha de S. Paulo.

A baba Lidiana, 35, em frente a condomínios da avenida Joao Fiusa, uma das mais luxuosas de Ribeirao Preto, onde trabalha
Sem FGTS, babá precisou economizar para comprar apartamento popular.

DE RIBEIRÃO PRETO

O sonho da maioria dos brasileiros de comprar a casa própria foi realizado há dois anos por Lidiana Azevedo Lira, 35, de Ribeirão Preto, no interior paulista.

Mas, ao contrário dos trabalhadores com registro em carteira, Lidiana precisou poupar o próprio salário, porque não recebe FGTS dos patrões.


Cearense de Canindé, trabalha há nove anos como babá em um apartamento de luxo na avenida João Fiúsa, um dos metros quadrados mais caros de Ribeirão e onde mora parte da elite local.

Com salário de R$ 1.200, ela trabalha 12 horas por dia, mas conta ser comum extrapolar a já extensa jornada. Ao menos uma vez por semana, fica até depois das 21h no trabalho, com as duas meninas que cuida, esperando os patrões chegarem em casa.

Uma das cidades mais ricas do Estado, com um PIB que supera o de 13 capitais brasileiras, Ribeirão atrai domésticas de municípios vizinhos. Só de Guariba, por exemplo, dez ônibus lotados transportam todo dia trabalhadores, a maioria faxineiras, para Ribeirão.

Lidiana vive uma exceção curiosa: ao contrário das colegas que se sacolejam nos ônibus, ela pode se dar ao luxo de ir ao pé ao trabalho, por morar perto da patroa.

A contradição aparente logo se explica. Sua casa, ainda não quitada, fica no conjunto habitacional João Rossi. Antes um bairro isolado, o local viu nas últimas décadas se aproximarem novos prédios de alto padrão, impulsionados pela expansão imobiliária, o que colocou ricos e pobres como vizinhos.

DISCUSSÃO

Nove anos atrás, quando começou a cuidar da menina mais velha, então um bebê de dois anos, Lidiana ganhava cerca de R$ 480 pelas mesmas 12 horas.

A vontade de deixar o aluguel e ter a própria casa a fez pedir à patroa para acumular o serviço de faxina, uma forma de ter um aumento no salário. "Mas eu pedi para parar. Não dá para cuidar das meninas e da casa."

Por trabalhar tanto, acha que ganha pouco. O salário, aliás, é motivo de discussão constante com a patroa.

Com a PEC das domésticas, que viu pela TV, a babá diz estar feliz de, enfim, receber FGTS. "Eu me sinto mais segura, se acontecer alguma coisa comigo no futuro."

E Lidiana faz planos. Quer terminar de pagar a casa onde mora --"faltam uns oito anos, ainda"-- e, um dia, ter seu próprio negócio.


(JULIANA COISSI)

Portal C4 Notícias
Siga-nos nas redes sociais
Twitter - @c4noticias

Nenhum comentário

Pedimos aos usuários que logo abaixo da caixa de comentários ao invés de anonimo, coloquem nome/url e coloquem a identificação a fim de comprovar seus cometários, é muito importante que vcs se identifiquem assim suas opiniões serão mais aceitas. Aos que persistirem no anonimato será feita a devida moderação nas palavras e afirmações comentadas.

Não utilizem palavras ou frases que ataquem ou agridam a outrem direta ou indiretamente, o portal C4 Notícias modera os comentários mas não se responsabiliza pelas opiniões deixadas por seus leitores.

att
Equipe C4 Notícias